Hillary buscará apoio do Brasil para sanções contra Irã

WASHINGTON – O governo dos Estados Unidos intensifica a pressão sobre o Brasil para que passe a apoiar um novo pacote de sanções da Organização das Nações Unidas (ONU) contra o Irã. O Departamento de Estado dos EUA informou hoje que a secretária de Estado Hillary Clinton e o principal diplomata de carreira para as Américas, William Burns, viajarão separadamente a Brasília nos próximos dias para tentar convencer o governo brasileiro da necessidade de se impor mais sanções ao Irã.

O Brasil ocupa, atualmente, uma cadeira no Conselho de Segurança (CS) da ONU, e o apoio do País é considerado importante para que os EUA sustentem a tese de que o Irã deve ser penalizado por se recusar a oferecer explicações mais detalhadas sobre seu programa nuclear. O Brasil é um dos dez membros rotativos do CS da ONU e tem se manifestado contra a imposição de mais sanções contra a república islâmica.

Lenn pelloc’h

Luzes sustentáveis – Postes de luz Philips

Sustainable City Lights, criado pela Philips, são postes de iluminação inspirados na própria natureza.

O conceito é simples: dar utilidade aos postes de luz durante o dia e usar a luz do sol como fonte de energia para a iluminação.

Durante o dia, as “pétalas” (vide fotos) ficam abertas captando toda a luz solar. De acordo com a luz – ou a falta dela – as pétalas vão se fechando e iluminam totalmente o lugar.

Os postes de luz também têm sensores que deixam a luz mais forte apenas quando há pessoas por perto, economizando energia. Os excedentes serão devolvidos à rede principal de energia para serem usados em outros lugares.

Fantástico, não?

Lenn pelloc’h

Geração térmica bate recorde

A diretora de Gás e Energia da Petrobras, Maria das Graças Foster, afirmou que a geração térmica bateu recorde na quarta-feira (24/2). No Informativo Preliminar Diário da Operação do ONS está registrada uma produção térmica de 3.298 MW médios, excluindo as nucleares.

A maior parte desta carga foi gerada no submercado Sudeste/Centro-Oeste, 2.600 MW médios. O sul gerou 546 MW médios.

“Nós e o ONS aprendemos a administrar essa geração. Na média por hora muitas vezes nós temos gerado 3.500 MW, o que nos demanda 20 milhões de m3/dia. Poucas horas depois nós estamos só com 1 milhão de m3/dia de geração”, afirmou a diretora.

Fonte:Energia Hoje

UFJF sai na frente e desenvolve modem via rede elétrica

Professor Moisés Moisés: “Com o modem via energia elétrica, o custo é reduzido, pois a rede de distribuição já está instalada”

Na última semana, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva anunciou a reativação da Telebrás com objetivo de levar aos municípios do país internet de banda larga através da rede de cabos de energia. O sistema, chamado de Power Line Communication (PLC), já é uma realidade em países como Estados Unidos, Japão, França e Espanha, e deverá ser implantado ainda este ano. A Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) saiu na frente e já desenvolve uma solução inovadora em tecnologia de transmissão de dados via rede elétrica que poderá ser usada pela população em breve.

O trabalho, pioneiro em toda a América Latina, é fruto de pesquisa que vem sendo realizada por uma equipe de cerca de 30 pessoas, entre alunos de graduação, mestrado, doutorado e pós-doutorado e engenheiros da departamento de Engenharia Elétrica da UFJF, encabeçada pelo professor Moisés Vidal Ribeiro. Eles trabalham na criação de um chipset, considerado por Ribeiro como o “coração do modem”, para transmissão de dados multimídia e aplicações smart grids através da rede elétrica. “É ele que irá gerar o sinal a ser transmitido por meio dos cabos de energia elétrica.”

Lenn pelloc’h

Petrobras acha 65 mi barris em 2 acumulações em Campos

SÃO PAULO, 25 de fevereiro (Reuters) – A Petrobras informou nesta quinta-feira ter realizado duas descobertas na bacia de Campos, em um volume total recuperável estimado em 65 milhões de barris, de acordo com comunicado ao mercado.

As descobertas na área de concessão de produção de Barracuda, a cerca de 100 km da costa do Estado do Rio de Janeiro, ocorreram em lâmina d’água de 860 metros, após conclusão da perfuração do poço exploratório 6-BR-63A-RJS.

Lenn pelloc’h

Irã se diz disposto a comprar ou enviar urânio ao exterior

Em carta à AIEA, país afirma que deseja ‘seguir buscando o combustível necessário para reator’

VIENA – O governo do Irã se disse disposto a comprar combustível para seu reator nuclear científico ou a obter o material por uma troca com seu urânio pouco enriquecido, mas eu seu próprio território, conforme informa uma carta enviada à Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) da ONU, de acordo com a agência AFP.

A carta, assinada por Ali Ashgar Soltanieh, embaixador do Irã na AIEA, é dirigida a Yukio Amano, diretor-geral do órgão de fiscalização nuclear da ONU. “Quero informar à Agência, em nome do meu governo, que a República Islâmica segue buscando adquirir o combustível necessário” para o reator, disse o diplomata no documento, datado de 18 de fevereiro.

Lenn pelloc’h

Seminário discute oportunidades e desafios do mercado de carbono pós COP -15

Com a indefinição de um acordo global no Cop-15, realizado em dezembro de 2009, e com o primeiro período de compromisso do Protocolo de Kyoto marcado para expirar em 2012, são gerados diversos desafios, mas também oportunidades que devem ser aproveitadas. Para debater essas questões, envolvendo adaptação, mitigação, desenvolvimento tecnológico e mercado, será realizado o Seminário Internacional “Oportunidades e Desafios do Mercado de Carbono Pós COP-15 – Mercado Voluntário e Regulado”. O evento será realizado no próximo dia 24, em São Paulo.

O seminário contará com palestras do diretor executivo da CantorCO2e Brasil, Divaldo Rezende, que abordará uma visão atual sobre o mercado de carbono e discutirá perspectivas para o setor; de José Miguez, representante da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima, para falar sobre os resultados da COP-15 e o que se espera para a COP-16; e do consultor da União da Indústria de Cana de Açúcar, e pesquisador da Universidade de Campinas, Isaías Macedo, que palestrará sobre mudanças climáticas e redução de emissões do setor sucroalcooleiro.

Além desses, o diretor executivo da Coomex, José Manoel Biaggi Amorim, estará presente falando sobre a sinergia da bioeletricidade com créditos de carbono; Carlos Roberto Silvestrin, vice-presidente executivo da Associação da Indústria de Cogeração de Energia, apresentará o programa Bioeletricidade 2011-2020; e o presidente da Carbono Social Serviços Ambientais, Stefano Merlin, palestrará sobre mercado voluntário de carbono; entre outros.

Fonte:Canal Energia.

Zimmermann defende construção de usina-plataforma

Conceito será aplicado em hidrelétricas do Complexo Tapajós, cujo leilão está previsto para 2011 e entrada em operação para 2016

Para evitar os grandes impactos ambientais em regiões de florestas nativas, como a Amazônia, por exemplo, o Brasil produzirá energia através de usina-plataforma. O conceito consiste na construção da usina e no fechamento da mata em volta, não permitindo a construção de cidades, estradas e outras obras de infraestrutura que vão causar desmatamento na região.

De acordo com o secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia, Márcio Zimmermann, após a conclusão do empreendimento, seriam necessários apenas operadores e pessoal de manutenção que eventualmente irão à usina. “É uma forma de o Brasil explorar uma riqueza que tem na Amazônia e, ao mesmo tempo, evitar uma devastação na região”.

Este conceito de usina-plataforma será aplicado no Complexo Tapajós. Segundo Zimmermann, a soma destas hidrelétricas pode chegar a 1/4 da usina de Itaipu e a área inundada seria de de apenas 1.900 quilômetros quadrados para uma área total de 200.000 quilômetros quadrados. A ideia, ainda de acordo com o secretário, é realizar o primeiro leilão para essas usinas, que serão construídas na Bacia do Tapajós, no Amazonas e no Pará, em 2011. A entrada em operação está prevista para 2016.

Fonte:Canal Energia

Justiça Federal anula leilão da UHE Baixo Iguaçu

A hidrelétrica de Baixo Iguaçu (PR-350 MW) sofreu um forte revés na última sexta-feira, 19 de fevereiro. O leilão da usina foi anulado pelo juiz federal substituto, Sandro Nunes Vieira, da Vara de Francisco Beltrão. O juiz acatou pedido feito pelo Ministério Público Federal do Paraná, que pedia a anulidade do processo de licenciamento ambiental da usina. A Neoenergia, concessionária do empreendimento, confirmou à Agência CanalEnergia que foi notificada e vai recorrer da decisão.

O juiz anulou a licença prévia ambiental do Instituto Ambiental do Paraná, além da declaração de reserva de disponibilidade hídrica concedida pela Agência Nacional de Águas. Essas medidas tornaram o leilão, realizado em setembro de 2008, nulo. Para o juiz Sandro Nunes Vieira a renovação da DRDH deveria está sujeita ao Plano Nacional de Recursos Hídricos, o que, segundo ele, não teria ocorrido.

Além disso, o juiz determinou que o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis e o Instituto de Conservação da Biodiversidade Chico Mendes se abstenham de licenciar, ou anuir com, o licenciamento de qualquer hidrelétrica na mesma área, com base nas atuais normas ambientais em vigor. O licenciamento depende do plano de manejo do Parque Nacional do Iguaçu e do PNRH, que constituiriam impedimento para captação de água para geração de energia na área de influência da unidade de conservação.

O descumprimento da decisão, no que tange ao licenciamento e a validade do leilão, pode levar a uma multa de R$ 150 mil. A hidrelétrica deveria operar a partir de janeiro de 2013.

Fonte: Canal Energia

Vale entra em consórcio para disputa de Belo Monte

AE  Agencia Estado

SÃO PAULO – A Vale assinou um memorando de entendimentos para participar da licitação de hidrelétrica de Belo Monte, em consórcio com a Andrade Gutierrez, a Neoenergia Investimentos e a Votorantim Energia. Em comunicado divulgado hoje, a Vale informou que as empresas se “comprometem a desenvolver estudos para determinar a atratividade do empreendimento, avaliar as condições de participação no processo e, após estas etapas, formalizar instrumentos jurídicos definitivos que permitam sua entrada conjunta no leilão.”

A expectativa é de que o edital com as condições da disputa seja publicado nas próximas semanas no Diário Oficial da União. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) já deu sinais de que está preparado para financiar o vencedor do leilão de concessão para a construção da usina.

Fonte:Estadão