Governo pode decidir por reduzir geração térmica, diz ONS

size_590_eletronorte

Segundo diretor-geral do ONS, maior volume de chuva poderá diminuir a geração termelétrica a partir de novembro

O governo federal pode diminuir a geração termelétrica a partir de novembro, segundo o diretor-geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Hermes Chipp, diante da retomada das chuvas no país e a perspectiva de continuidade até o fim do ano.

Segundo ele, começou a chover nos últimos dias nas principais regiões onde estão as hidrelétricas — com exceção do Nordeste, onde o nível dos reservatórios é mais crítico e está em 27,6 por cento de armazenamento.

A perspectiva do ONS, com base em informações climáticas, é que essas chuvas se estendam até pelo menos o fim do ano. “A transição é boa para o período úmido, diferente do ano passado, e o último trimestre deve ser mais chuvoso”, disse Chipp a jornalistas nesta quinta-feira.

A chuva já chegou à cabeceira do rio São Francisco, no Nordeste e, em breve, deve avançar e aumentar o volume de água na região, segundo Chipp. A transferência de energia de outras regiões para o Nordeste está oscilando entre 2.500 e 3.000 megawatts (MW).

Se as previsões climáticas e meteorológicas se confirmarem, há chance de haver uma redução no despacho térmico no país — que hoje está em 10.500 MW — na próxima reunião do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE), em novembro.

“Tenho expectativa de que se a previsão dos meteorologistas se confirmar, você reduz custo marginal, reduz térmicas e não vai ter térmica adicional. Há indicação razoável de reduzir o despacho”, disse Chipp.

Há ainda possibilidade de o critério de segurança N-2, adotado na última reunião do CMSE depois de blecaute na região Nordeste em agosto, seja abandonado, com retorno para o critério N-1, segundo Chipp.

Dessa forma, a transmissão de energia para o Nordeste poderia, segundo Chipp, voltar para 3.800 MW. “Em novembro, há menos risco de queimadas. Foi o que nos levou a adotar o N-2”, disse.

Em agosto, queimadas atingiram duas linhas de transmissão no Piauí, provocando blecaute em toda a região Nordeste.

Depois do ocorrido, o governo resolveu reduzir a exportação de energia de outras regiões para o Nordeste e elevou o despacho térmico naquela região. As medidas elevaram o critério de segurança do sistema na região, de forma que possa suportar contingências duplas sem resultar em blecautes.

Fonte: Examelogopet (1)

Advertisements

Lezel ur respont

Fill in your details below or click an icon to log in:

Logo WordPress.com

Emaoc'h oc'h ober un evezhiadenn gant ho kont WordPress.com Log Out /  Kemmañ )

Google photo

Emaoc'h oc'h ober un evezhiadenn gant ho kont Google Log Out /  Kemmañ )

Skeudenn Twitter

Emaoc'h oc'h ober un evezhiadenn gant ho kont Twitter Log Out /  Kemmañ )

Luc'hskeudenn Facebook

Emaoc'h oc'h ober un evezhiadenn gant ho kont Facebook Log Out /  Kemmañ )

War gevreañ ouzh %s