Chinesa patrocina Copa para tentar popularizar painéis de energia solar

Maior empresa de painéis solares de geração de energia do mundo, a desconhecida€ chinesa Yingli Solar decidiu patrocinar a Copa do Mundo e dividir espaço com marcas consagradas como Sony, Visa e Adidas, entre outras.

 

Paneles_Solares_Yingli_Solar

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Dois são os motivos do investimento (cujo valor não foi revelado): mostrar que seu produto, os painéis solares, podem se converter em bens de consumo como geladeiras ou eletrodomésticos; e chamar a atenção para a geração solar no Brasil e no mundo.

A primeira foca no consumidor do segmento da chamada geração distribuída, pela qual qualquer pessoa pode instalar de 10 a 15 painéis no telhado e gerar energia. Uma portaria do governo brasileiro abriu espaço para esse segmento em 2012, ao permitir a troca da energia excedente gerada por lares e pequenos negócios com a rede de distribuição.

Lenn pelloc’h

Geração de usinas a biomassa cresce 31,6%

Geração total do SIN em abril foi de 62.716MW médios, segundo dados da CCEE

Crédito: Getty Images

 

 

 

 

 

 

 

A geração total de energia elétrica no Sistema Interligado Nacional (SIN) em abril de 2014 foi de 62.716 MW médios, provenientes de 1.113 usinas modeladas no sistema da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). O montante representa queda de 2,3 % na produção frente a março, mas é 2,2% superior ao entregue no em abril de 2013. Os dados são do Boletim de Operação das Usinas, publicado mensalmente pela CCEE.

O boletim aponta ainda, que com o início do período de safra da cana de açúcar, as usinas a biomassa mais do que dobraram o fator de capacidade em comparação com o mês passado, registrando aumento de 156,3% na geração, que chegou a 1.663 MW médios. Na variação anual (entre abril 13 e abril/14) foi registrado aumento de 31,6%.

Lenn pelloc’h

Usina solar da Eletrosul será inaugurada no próximo dia 27

Projeto Megawatt Solar é a maior usina fotovoltaica integrada a um edifício.

3326

 

 

 

 

 

 

 

Nesta sexta-feira (27/06), será inaugurada a maior usina solar integrada a um edifício público da América Latina, em Florianópolis (SC). O Projeto Megawatt Solar, desenvolvido pela Eletrosul, com o apoio técnico da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e do Instituto para o Desenvolvimento de Energias Alternativas na América Latina (Ideal), tem a potência instalada de 1 MWp. Com isso, a usina é capaz de produzir energia suficiente para o consumo de mais de 1,8 mil pessoas, ou o equivalente ao abastecimento de 540 residências.

São 4,2 mil módulos solares que convertem a radiação solar em energia elétrica, instalados na cobertura do edifício-sede e nos estacionamentos, em uma área de 10 mil metros quadrados.

Lenn pelloc’h

Brasil perde posição em ranking de energia limpa

Relatório da petroleira britânica BP mostra que país caiu para terceiro lugar entre os maiores produtores hidrelétricos do mundo e teve uma das maiores altas em emissão de CO2

4_itaipu

 

 

 

 

 

 

A estiagem prolongada levou o Brasil a perder, em 2013, a segunda posição no ranking dos maiores produtores de energia hidráulica do mundo. A conclusão é do “BP Energy Review”, relatório anual sobre o cenário energético mundial elaborado pela petroleira britânica. A produção das hidrelétricas brasileiras caiu 7%, para 385,4 terawatts-hora (TWh) no ano, contra 391,6 TWh do Canadá e 911,6 TWh da líder China. O Brasil ocupava o segundo lugar desde 2007, quando ultrapassou o Canadá. Segundo o relatório, o consumo de mais combustíveis fósseis levou o país a bater recorde de emissões de gás carbônico (CO2).

Lenn pelloc’h

Maior uso de eólicas pode criar dependência de térmicas

 Os esforços do Brasil para diversificar a produção de energia com maior uso de fontes renováveis, incluindo usinas eólicas, deve resultar na dependência mais frequente de térmicas de reserva, segundo a agência de classificação de risco Fitch.

size_590_Parque_eolico_de_Palmas-PR

Segundo a entidade, o uso consistentemente alto de usinas de reserva poderia levar ao adiamento de grandes manutenções e ao aumento dos custos do ciclo de vida das usinas.

“Acreditamos que esse aumento de custo seria particularmente grave se a demanda por essa energia de reserva aumentar devido a uma seca prolongada ou outra interrupção de fornecimento”, disse a Fitch em relatório nesta sexta-feira.

Lenn pelloc’h

Energias renováveis são armazenadas em ar líquido

A planta-piloto de armazenamento criogênico de energia aprovou o conceito, que agora será usado em uma planta em escala industrial.

A planta-piloto de armazenamento criogênico de energia aprovou o conceito, que agora será usado em uma planta em escala industrial.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A energia gerada por fontes renováveis será armazenada na forma de ar liquefeito a temperaturas criogênicas.

O conceito foi testado com sucesso por pesquisadores da Universidade de Birmingham, no Reino Unido, e agora deverá passar da escala piloto para a primeira planta industrial.

A proposta é contribuir para a superação dos altos e baixos no abastecimento provocados pela intermitência das fontes renováveis, como solar e eólica. A eletricidade gerada durante o dia e em momentos de ventos fortes é usada para liquefazer o ar.

Estocada em grandes tanques de ar líquido, a energia fica então disponível para o consumo à noite, em dias nublados ou sem ventos.

Lenn pelloc’h

Lâmpadas incandescentes vão sumir do mercado brasileiro

Já não se podia mais fabricar ou importar as lâmpadas incandescentes de 150 e 100 watts. Agora chegou a vez da mais popular: a de 60 watts. Fica proibida após o último dia de junho.

lâmpada

 

 

 

 

 

 

 

 

As lâmpadas mais usadas pelos brasileiros vão desaparecer do mercado no fim do mês. Aos poucos o Brasil está dando adeus a uma companheira que está ao nosso lado há mais de cem anos.

Já não se podia mais fabricar ou importar as lâmpadas incandescentes de 150 e 100 watts. Agora chegou a vez da mais popular: a de 60 watts. Fica proibida após o último dia de junho. As que estão no estoque das lojas poderão ser vendidas por apenas mais um ano. As de 25 e 40 watts sairão de produção em 2015.

O consumidor tem agora basicamente três opções de lâmpadas domésticas. A halógena com bulbo, a fluorescente compacta e a de led. Todas mais caras do que a incandescente. Mas como elas gastam menos energia e duram mais, técnicos dizem que o saldo final é positivo.

Lenn pelloc’h