Memória de uso único pode garantir segurança absoluta

010150140131-memoria-uso-unicoQuando o máximo de segurança é essencial, a melhor alternativa parece ser uma memória que possa ser lida uma única vez.

Imagine, por exemplo, uma transferência bancária.

A memória superssegura conteria dois códigos de autorização, um para creditar a conta do destinatário, e outro para creditar a conta do remetente, caso a transferência seja cancelada.

Como a memória só pode ser lida uma vez, apenas um desses códigos poderia ser usado, garantindo que apenas uma das transações – nunca ambas – possa ser realizada.

“Quando um inimigo tem o controle físico de um dispositivo – como um celular roubado – as defesas de software não são suficientes, nós precisamos de um hardware resistente a violações para garantir a segurança,” explica Yi-Kai Liu, do Instituto Nacional de Padronização e Tecnologia dos EUA.

Lenn pelloc’h

Software livre é a saída para fugir da espionagem oficial

010150130913-tunel-binarioBuracos na Internet

A sabedoria convencional nos diz que precisamos nos precaver contra ladrões e malfeitores.

Quando eles eventualmente conseguem seus intentos, precisamos acionar o Estado, através de instituições como Polícia e Justiça, para que possamos fazer valer nossos direitos.

Mas o que fazer quando é o próprio Estado, uma organização da sociedade para cuidar da sociedade, que passa a ser o malfeitor e começa a espionar a tudo e a todos?

Lenn pelloc’h