Depois da Energia Solar, a Energia Lunar

Empresas e Governos investem na força das marés  como fonte complementar.

lua

A ideia de obter energia das marés, que o movimento da Lua comanda, data da Idade Média, quando era usada para moer grãos. Na era industrial, foi testada nos anos 1960 em La Rance, na França, mas a usina foi desativada após quatro anos por causa dos altos custos. Agora essa tecnologia pode tomar impulso graças a turbinas bem mais leves e baratas. Costuma-se dizer que a energia das marés se encontra hoje no ponto em que a energia eólica estava há três décadas, quando a engenharia ainda não havia chegado ao desenho ideal das turbinas dos aerogeradores.

A captação de energia das marés é feita por lâminas que giram, à semelhança das hélices que se movem com o vento, só que instaladas sob o mar. As usinas de marés são mais previsíveis do que as movidas a vento, já que o movimento das águas tem precisão de relógio.

Lenn pelloc’h

Advertisements

Seu vizinho vê os gols antes de você? Entenda por que

Por causa do processo de transmissão, cada televisor recebe o sinal num momento, isso faz com que algumas pessoas estraguem a surpresa gritando gol antes

size_590_451122096

 

 

 

 

 

 

 

 

São Paulo – Foi-se tempo em que toda a torcida brasileira gritava gol ao mesmo tempo. Não é raro ter os momentos de maior suspense da Copa do Mundo estragados por um grito vindo da rua ou de algum vizinho.

Isso acontece por causa do atraso na transmissão digital de imagem e som. O atraso acontece por causa do tempo necessário para o processamento e envio dos dados. A imagem é captada no estádio, vai até a emissora e depois é enviada aos televisores. Nesse caminho, os dados são codificados, comprimidos e depois enviados.

Esse processo consome tempo, o que faz com que haja um atraso no envio. Depois, a distribuição via cabo faz o atraso aumentar mais um pouco.

Mas como algumas pessoas gritam o gol antes?

Lenn pelloc’h

Nanocircuito integrado: componentes feitos de nanotubos

Imagem feita por microscopia do circuito de barramento (em cima) e esquema dos transistores em nanotubos individuais (embaixo). [Imagem: Tian Pei et al. – 10.1021/nl5001604]

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nanoeletrônica definitiva

A eletrônica baseada nos nanotubos de carbono é muito promissora, e vem avançando aos poucos, com o primeiro circuito integrado (2011), o primeiro processador (2012) e, finalmente, o primeiro computador de nanotubos de carbono (2013).

Mas não se trata ainda da esperada “nanoeletrônica definitiva”, uma técnica que consiga tirar todo o proveito do potencial dos nanotubos de carbono individuais, e da consequente ultraminiaturização dos circuitos.

Um passo mais significativo nesse sentido mais purista foi dado agora por Tian Pei e seus colegas da Universidade de Pequim, na China. Eles conseguiram construir transístores de efeito de campo (FET) diretamente sobre nanotubos de carbono individuais.

Lenn pelloc’h

Novo chip de memória cache pode reduzir o consumo de energia em 60%

novo-chip-da-toshiba-promete-reduzir-mais-da-metade-do-consumo-da-memoria-cache

 

 

 

 

 

Toshiba anunciou seu novo chip de memória cache destinado a computadores, tablets e smartphones, que pretende economizar bateria dos dispositivos graças a uma nova forma de guardar a memória temporária. Segundo a fabricante japonesa, o chip consegue alcançar eficiência a ponto de consumir até 60% menos energia da CPU que as atuais memórias cache L2.

O segredo está no princípio de funcionamento. O cache L2 utiliza gravação de informação volátil medida em valor de carga elétrica, cuja informação é perdida a cada vez que o computador é desligado. Já a tecnologia desenvolvida pela Toshiba guarda os dados de acordo com o spin dos elétrons, método muito mais eficiente e que não se perde quando a fonte de energia é desconectada.

Lenn pelloc’h

Executivos defendem mais investimento em tecnologia

O investimento em inovação pode ser uma ferramenta importante para remover ou minimizar os gargalos de infraestrutura existentes no País. Resolver os problemas de logística é essencial para aumentar a competitividade da economia brasileira e permitir uma inserção maior das empresas locais no mercado global.

tvescola_150410

 

Para a vice-presidente para Assuntos Governamentais e de Políticas Públicas da GE América Latina, Adriana Machado, uma das principais lacunas da infraestrutura logística brasileira é o baixo investimento em ferrovias. “Nessa questão de infraestrutura, a gente sabe o que tem de fazer, há estudos que mostram as soluções, o que precisamos é acelerar a execução das coisas”, afirmou. Segundo a executiva, para competir de forma global é preciso velocidade. “O mundo não para e está girando cada vez mais rápido.”

A falta de decisão política para fazer as obras necessárias em infraestrutura também é, para o diretor de operações de negócios de centro de P&D da EMC, Fred Arruda, a principal barreira para o desenvolvimento brasileiro em pesquisa e inovação. “É preciso ter coragem de colocar  Lenn pelloc’h

Solar: comissão do Senado aprova isenção de IPI para equipamentos e componentes

Projeto passou pela Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) e agora segue para a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE)

painel

 

 

 

 

 

 

 

 

A geração de energia solar pode ser incentivada por um projeto aprovado nesta quarta-feira (04/06) na Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI). O PLS 317/2013, do senador Ataídes Oliveira (PROS-TO), isenta do Imposto sobre a Importação (IPI) os equipamentos e componentes de geração elétrica de fonte solar. A proposta segue para análise da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE).

O autor ressaltou o aumento da demanda por energia no Brasil, mas afirmou que as tecnologias de utilização de energia fotovoltaica ainda são pouco conhecidas e de raro uso. Segundo ele, as usinas hidrelétricas vêm perdendo espaço na matriz elétrica brasileira e a geração termoelétrica passou a ser um recurso mais acionado que o desejável. O resultado, ressaltou, é o aumento da emissão de gases de efeito estufa na atmosfera.

Lenn pelloc’h

Casa feita em impressora 3D custa a metade de uma comum

 

Casa feita em impressora 3D pela Winsun: material usado para construir as paredes é reciclado de construções antigas

Casa feita em impressora 3D pela Winsun: material usado para construir as paredes é reciclado de construções antigas

Uma impressora 3D que imprime peças em plástico não é mais uma novidade. Hoje todos os holofotes estão apontados para as impressoras que conseguem imprimir comida, órgãos e… casas!

Parece que não há nada no mundo que não possa ser feito no modelo “camada por camada”.

Um projeto de casa impressa em 3D foi feito em Xangai, na China, pela Winsun. A construtora chinesa mostrou como uma impressora de 6,7 metros de altura — que custa 5 mil dólares — pode produzir paredes inteiras em poucos minutos. Lenn pelloc’h